Sessão especial com filme protagonizado por Ruy Guerra é atração de terça-feira na mostra

Na terça-feira, dia 24, a 20ª Mostra de Cinema de Tiradentes promove a sessão especial Cinema em Reação, com o longa-metragem O Homem que Matou John Wayne, de Diogo Oliveira e Bruno Laet. No filme, programado para o Cine-Tenda às 16h30, o mítico cineasta Ruy Guerra interpreta a si mesmo como um famoso diretor que tem um encontro casual com o ator John Wayne e rememora a própria trajetória como o mais singular realizador latino-africano de nosso tempo.

 Seguindo no Cine-Tenda, às 18h, a Mostra Olhos Livres exibe Homem-Peixe, de Clarisse Alvarenga. Em seguida, segue a Mostra Aurora com Um Filme de Cinema, de Thiago B. Mendonça. Fechando a noite no local, às 22h30, a segunda série da Mostra Foco tem quatro títulos.

 No Cine BNDES na Praça, às 21h, serão apresentados três curtas-metragens para a plateia da cidade histórica. No mesmo horário, no Sesc Cine Lounge, o ator Antônio Pitanga e a atriz Camila Pitanga participam de uma roda de conversa com o público, falando de suas trajetórias e do filme que realizaram juntos, exibido na noite de sábado na Mostra.

 Entre a manhã e o início da tarde, o Cine Teatro Sesi fica agitado com a continuidade do Seminário do Cinema Brasileiro, que terá três mesas da série Encontro com a Crítica, Diretor e Público: às 10h, bate-papo sobre A Destruição de Bernardet, com o convidado Reinaldo Cardenuto; às 11h15, conversa sobre Baronesa, com a presença de Patrícia Mourão; por fim, às 12h30, os realizadores da série 2 da Mostra Foco conversam sobre seus filmes. 

 À tarde, acontece a segunda mesa temática do evento este ano: “Cinema em reação, cinema em reinvenção: circulação e visibilidade”. Com mediação de Pedro Butcher, o encontro será em torno das dificuldades, alternativas, circulação e visibilidade de filmes realizados em diferentes unidades federativas, quase sempre autorais e independentes, de cineastas em início de carreira em longa-metragem, como muitos exibidos na Aurora nas edições de Tiradentes. Participam André Gatti (professor, pesquisador e escritor), Cavi Borges (produtor e diretor), Eduardo Valente (cineasta, crítico e curador), Frederico Machado (diretor e distribuidor) e Talita Arruda (distribuidora).

 A terça-feira termina no Sesc Cine-Lounge, com apresentação da banda Constantina, a partir da 0h30.

 MOVIMENTOS SOCIAIS

Na única mesa de debates ocorrida no domingo, dia 22, a diretora Eliane Caffé, do longa-metragem Era o Hotel Cambridge, falou da experiência de realizar um trabalho em parceria com os movimentos de ocupações em São Paulo. Exibido na Mostra Horizontes, o filme foi fortemente aplaudido pela plateia do Cine Tenda. “Tentei me afastar da direção tradicional e fazer um trabalho coletivo, em que todo mundo que participava de alguma forma também dirigia as cenas”, contou ela. “Segmentos diferentes e sem relação direta com cinema se reuniram para este filme. O que havia de comum entre todo mundo era justamente o filme”.

 Na mesa estavam duas participantes de Era o Hotel Cambridge, Carmem Silva e Janice Ferreira, e a roteirista Inês Figueiró, além do crítico convidado, Rodrigo Fonseca. Carmem, líder de movimentos sociais em São Paulo, contou da experiência de se tornar atriz para o projeto de Caffé sem deixar de ser ela mesma. “Imagine eu sendo dirigida...!”, brincou, para gargalhadas do público. Ela e a diretora firmaram uma parceria essencial na feitura do filme, que foi detalhada por elas durante o encontro.