20ª Mostra

O QUE SÃO 20 ANOS?

 Tudo começou em 1998, na cidade de Tiradentes, Minas Gerais, de apenas cinco mil habitantes. O cenário históricopassa a ser sededa primeira edição da Mostra de Cinema de Tiradentes. Na Universo Produção, éramos três pessoas que viviam momentos de descobertas profissionaiscom o propósito de inovar, inventar, ousar em suas atuações. Cada uma com um perfil diferente e complementar. Eu voltada para elaborar projetos, meu marido Quintino para projetar e construir e minha irmã Fernanda para formatar e estruturar as ideias – os três pararealizar.

 Não tínhamos noção dos inúmeros desafios que nos aguardavam, nem se estávamos fazendo a escolha certa e que frutos dariam. Tínhamos o ímpeto de querer e fazer. Assim nascia a Mostra, partindo inicialmente de um grupo de pessoas, com o apoio de amigos e das famílias e com uma empresa patrocinadora que acreditava na empreitada.

 A primeira proposta foi fazer uma mostra de cinema regionalizada com a intenção de incentivar a inauguração e o funcionamento do Centro Cultural Yves Alves, mas já no início da produção percebemos que existia uma lacuna no segmento audiovisual em Minas e, em poucos meses de trabalho, mudamos o foco para o evento ter alcance nacional. Foi uma conjugação de esforços para que conseguíssemos, em tempo recorde, formatar e viabilizar uma programação representativa da retomada da produção cinematográfica daquela época.

 Anunciar a Mostra de Cinema de Tiradentes como a grande aliada do cinema brasileiro gerou uma grande estranheza no meio cultural. O que mais ouvíamos era: “Como você vai sustentar um evento audiovisual anual exibindo somente filmes brasileiros, se não temos produção suficiente para isto?”.“Fazer uma mostra sem caráter competitivo, isto não vai dar mídia” era outra frase corriqueira daquela época. Em Tiradentes? Que cidade é essa? Onde fica? Ninguém conhece!Como vai conseguir patrocínio? Minha resposta era a mesma para todas essas questões – vamos fazer uma mostra de cinema diferente de todas que já existem no Brasil. Queremos um evento não só para exibir e premiar filmes, mas para ser um instrumento de formação, reflexão, promoção e difusão do nosso cinema. Um evento para ser reflexo da produção contemporânea. Tendo ou não filme para exibir, vamos apresentar um conceitopara pensar, discutir e fazer ecoar os melhores frutos. Um evento para deixar um legado, para reunir o Brasil em Minas.

 E o evento que começou sua trajetória exibindo filmes brasileiros numa lona de circo, no Largo das Mercês, tornou-se um espaço enriquecedor de exibição e discussão do cinema brasileiro contemporâneo – um exemplo que já impulsionou novas iniciativas em Minas e no Brasil. Testemunhou o surgimento de nova geração de realizadores e favoreceu a visão de conjunto. Permitiu visualizar novos rumos, cresceu e renovou-se. Anualmente se ergue toda a infraestrutura necessária para abrigar umaprogramação intensa e gratuita, que imprime a identidade que fez delauma Mostra tão única quanto desejada.

 Tem se destacado nacionalmente e internacionalmente pela sua proposta conceitual e diferenciada. No percurso de sua história apresentou uma nova configuração de cinema, abriu espaço para propostas de estéticas e linguagens ousadas e independentes, revelou novas iniciativas, colocou em evidência as características e novidades do cinema brasileiro contemporâneo. Inaugurou o diálogo entre críticos, pesquisadores, realizadores e produtores. Investiu no potencial dos jovens com ações de formação e reflexão. Esboçou alguns diagnósticos estéticos, temáticos e estruturais sobre a produção dos últimos quinze anos e evidenciou na tela algumas características mais sintomáticas do momento, como a forte proximidade do cinema com a música, com as questões da juventude, com os próprios mecanismos do cinema e com a memória do Brasil. A resposta e a participação do público fizeram toda diferença.

 Conta anualmente em suas edições com a presença de mais de 500 convidados e com a participação de curadores de festivais internacionais que comparecemao evento para conhecer o que há de mais promissor na produção audiovisual brasileira. Esse diálogo e intercâmbio em favor do cinema brasileiro têm gerado importantes frutos para os profissionais brasileiros que já tiveram seus filmes selecionados para diversos festivais internacionais, como Cannes, Berlim, Locarno, Veneza.

 Em 19 edições já realizadas, a Mostra Tiradentes já beneficiou um público estimado em 647 mil pessoas. Proporcionou o acesso gratuito e democrático aos bens culturais com a oferta de uma programação que reúne ações de formação, reflexão, exibição e difusão. O evento já exibiu 2.436 filmes em 813 sessões de cinema, promoveu 201 oficinas e 5.964 alunos certificados, 19 seminários, 25 cortejos, 35 exposições temáticas, 59 espetáculos de rua, 145 shows musicais. Recebeu 7.111 convidados – autoridades, cineastas, produtores, atores, críticos de cinema e profissionais do audiovisual. A imprensa foi representada por 1.342 profissionais de jornais, televisões, rádios e internet de todo o Brasil.

 Essa imensa manifestação cultural evolui a cada edição. A histórica e barroca Tiradentes ganhou novo fôlego, atraiu novos investimentos e foi transformada em uma cidade turística, revigorada e projetada mundo afora. No entanto, o empenho de narrar a cada ano os instantes históricos da nossa cultura e realizar um empreendimento cultural ousado e inovador numa cidade de apenas sete mil habitantes representa uma missão coletiva com responsabilidades e ações compartilhadas com os governos municipal, estadual e federal, empresas públicas e privadas, profissionais do audiovisual e da cultura, imprensa, lideranças, turistas, comunidade e público em geral que investem e acreditam que a soma de esforços potencializa e contribui para o desenvolvimento econômico e a construção da cidadania em seus mais significados conceitos e efeitos multiplicadores

 2017 – 20 anos depois, o que era uma vontade de vencer na vida e inovar no trabalho hoje é um filme roteirizado pela experiência de que a ousadia é necessária para gerar transformação. A Mostra de Cinema de Tiradentes celebra sua história como principal fonte de inovação e projeção do cinema brasileiro no país. Motivos não faltam para brindar!

 Raquel Hallak d’Angelo
Diretora da Universo Produção
Coordenadora da Mostra de Cinema de Tiradentes